Inteligência Artificial: entenda definitivamente o que é, onde é usada e sua importância.

10 minutos para ler

Estamos vivendo uma onda constante de inovação e a maioria delas é graças a inteligência artificial. Mas, você realmente sabe o que é IA?

A inteligência artificial é a simulação dos processos de inteligência humana por máquinas. Isso acontece devido a aquisição de informações e regras, e consequentemente, elas conseguem raciocinar e chegar a conclusões aproximadas ou definitivas, incluindo a autocorreção.

Estamos falando de um conglomerado de conceitos e tecnologias como carros autônomos, robôs que são semelhantes aos seres humanos, aprendizado de máquina e se você reparar, as aplicações estão em todos os lugares e, inclusive, fazem parte do nosso cotidiano.

Isso porque a inteligência artificial é um ramo abrangente da ciência da computação, preocupada em construir máquinas capazes de executar tarefas que normalmente a gente não conseguiria, ou com muita dificuldade e mais tempo.

Neste artigo, vamos abordar detalhadamente o assunto com o objetivo de esclarecer todas as suas dúvidas e prepará-lo pelo que vêm pela frente.

Vamos lá!

Como a inteligência artificial é usada?

A IA geralmente fala sob duas grandes categorias:

Estreito: às vezes referido como “IA fraca”, é um tipo de inteligência artificial que opera dentro de um contexto limitado. Ela é desenvolvida para executar apenas uma tarefa extremamente bem e embora pareça ter grandes capacidades, elas trabalham com mais restrições e limitações do que a inteligência humana mais básica.

Inteligência Geral Artificial (AGI): denominada como “IA forte”, ela também é conhecida como inteligência geral artificial, pois, possui habilidades cognitivas humanas generalizadas e quando é apresentado alguma tarefa desconhecida, ela pode encontrar uma solução sem precisar de ajuda humana.

Como os custos com hardware (equipamentos), software (sistemas lógicos) e pessoal podem ser altos, muitos fornecedores estão incluindo a IA em suas ofertas, as mais populares de nuvem, por exemplo, são oferecidas pela Amazon AI e o Google AI Services.

Enquanto ferramentas de inteligência artificial apresentam uma gama de funcionalidades para as empresas, o uso da IA levanta questões éticas.

Isso porque os algoritmos de aprendizagem, que sustentam as ferramentas mais avançadas, são tão inteligentes que ultrapassam as informações que foram dadas no treinamento.

Alguns especialistas do setor acreditam que o termo inteligência artificial está intimamente ligado à cultura popular, fazendo com que o público, em geral tenha medos irreais sobre a IA e expectativas improváveis sobre como isso mudará o local de trabalho e a vida em geral.

Contudo, pesquisadores e profissionais de marketing espera que o rótulo de inteligência ampliada, que tem uma conotação mais neutra, ajuda as empresas a entender que a inteligência artificial simplesmente melhorará os produtos e serviços.

Conheça os tipos de inteligência artificial

Inteligência Artificial Limita (ANI)

Como falamos anteriormente, existe um tipo de inteligência artificial “mais fraca”, porque ela se especializa em apenas uma área.

Embora sejam sistemas inteligentes capazes de lidar com uma quantidade imensa de dados e fazer cálculos complexos, se você pedir para que ela resolva algo diferente do que aprendeu, ela não saberá como fazer.

Isso acontece com sistema de IA em carros autônomos ou reconhecimento facial, porque são aplicações extremamente focadas e direcionadas para terem o máximo de performance com apenas um objetivo.

Porém, ainda dentro dessa categoria, temos uma subdivisão referente ao nível de consciência que a IA pode ter:

Máquinas Reativas: essa é a classe mais simples de sistemas porque não possuem habilidades para criar memórias e nem usar o que ela já aprendeu para tomar alguma decisão atual.

Memória Limitada: essa classe contém maquinas que conseguem ter acesso à memória e resgatar informações para tomar uma decisão, como os carros autônomos, que observam a velocidade e a direção dos outros carros para decidir o que fazer.

Inteligência Artificial Geral (AGI)

Ela é denominada inteligência artificial “mais forte”, justamente por ser mais capaz e inteligente que um ser humano.

Estamos tratando de consciência, ainda que sejam máquinas, elas conseguem se relacionar com a teoria da mente, que é a habilidade de atribuir estados mentais como crenças, intenções e desejos.

Embora isso seja algo surpreendente, se não bastasse, elas também conseguem identificar e reconhecer esses e outros sentimentos em pessoas.

Máquinas Cientes: é uma classe de mentes computacionais que conseguem enxergar o mundo através de representações. Elas conseguem perceber e entender que outras pessoas também podem ter sentimentos e que precisam analisar isso para se auto ajustar.  

Máquinas Autoconscientes: essa classe de sistemas está a frente das maquinas cientes, porque elas não só têm consciência de tudo o que existe fora de si, como também de delas mesmas.

Superinteligência (ASI)

O termo “superinteligência” foi definido pelo filósofo sueco Nick Bostrom como um “intelecto que é muito mais inteligente do que o melhor cérebro humano em praticamente todas as áreas, incluindo criatividade científica, conhecimentos gerais e habilidade sociais”.

Estamos nos referindo a uma inteligência que vai além da nossa capacidade de compreensão, como se fosse algo que pudesse “dominar o mundo” como algumas pessoas idealizam, mas é claro que isso não é possível.

A superinteligência está abrange um leque imenso que vai desde um computador um pouco mais inteligente que uma pessoa até aquele que ultrapassa qualquer limite humano.

Qual é a diferença entre inteligência artificial e computação cognitiva?

A inteligência artificial é incorporada em uma variedade de diferentes tecnologias, como:

Automação: é a automação de processos robóticos (RPA), ela é programada para realizar tarefas sem falhar e em grande volume.

Aprendizado de máquina: é um subcampo da ciência capaz de fazer um computador agir sem programação.

Aprendizado supervisionado: nos modelos de aprendizagem de máquina supervisionada conseguimos dar pesos ou calibrar o nível de assertividade e de precisão de um modelo.

Aprendizado não supervisionado: são mais raros, na prática, mas são muito úteis para guiar o raciocínio do cientista de dados no processo de exploração dos dados para análises futuras.

Aprendizado por reforço: abordagem em que a máquina tenta aprender qual é a melhor ação a ser tomada, dependendo das circunstâncias na qual essa ação será executada.

Visão de máquina: esta tecnologia captura e analisa informações visuais usando uma câmera, conversão analógico-digital e processamento de sinal digital.

A visão não é limitada pela biologia e pode ser programada para ver através das paredes. Também é muito usada para identificação de assinaturas e análises de imagens médicas.

Processamento de linguagem natural (PNL): as abordagens atuais da PNL são baseadas no aprendizado de máquina. As tarefas de PNL incluem tradução de texto, análise de sentimentos e reconhecimento de fala.

Robótica: Um campo de engenharia focado no design e fabricação de robôs. Os robôs costumam ser usados ​​para executar tarefas que são difíceis de serem executadas ou executadas de forma consistente pelos humanos. 

Eles são usados ​​em linhas de montagem para produção de carros ou pela NASA para mover objetos grandes no espaço. Os pesquisadores também estão usando aprendizado de máquina para construir robôs que possam interagir em ambientes sociais.

Carros autônomos: usam uma combinação de visão computacional, reconhecimento de imagem e aprendizagem para construir a habilidade de pilotagem de um veículo sem violar as leis de trânsito e evitar acidentes.

Onde a inteligência artificial está presente

Área da saúde

A utilização da Inteligência artificial em hospitais e clínicas fez com que os benefícios se tornem notórios através de melhores resultados e redução de custos.

Um dos campos mais beneficiados atualmente pela IA é a oftalmologia que já conta com um sistema, por exemplo, que concede ao médico maior precisão nas cirurgias de catarata.

A tecnologia calcula, em tempo real e em segundos, o tamanho e as características de cada globo ocular no momento da operação, sugerindo a lente intraocular mais adequada após a remoção do cristalino, a lente natural do olho que fica opaca com a doença.

Sem esquecer, é claro, da IBM que introduziu o Watson, uma aplicação projetada para sugerir diferentes tratamentos com base na história médica dos pacientes, que provou ser muito eficaz.

Negócios e Investimentos

A automação de processos robóticos está sendo aplicada em tarefas que normalmente são feitas repetidamente por seres humanos.

Os algoritmos de aprendizado de máquina estão sendo integrados às plataformas de análise e CRM para descobrir informações sobre como atender melhor os clientes.

E para potencializar isso, também são implementados chatbots em sites para que o atendimento seja feito de forma imediata.

Sistemas Bancários 

Os bancos estão usando a inteligência artificial para manter um registro da base de clientes, abordando suas necessidades e sugerindo transações mais seguras.

Inclusive, quando acontece alguma transação suspeita, o banco imediatamente entra em contato com o usuário para pedir autenticação e confirmar se é ele mesmo quem está realizando a ação.

Setor Agrícola

O uso da inteligência artificial contribui para a produtividade agrícola, uma vez que as pulverizações são realizadas por robôs que avaliam as condições das plantações e fazem o trabalho de preparação e tratamento da terra para que as sementes possam ser colocadas.

Além disso, elas fazem a aplicação de defensores e indicam os pontos que estão prontos para serem colhidos, ou seja, é notório que ela é fundamental para que o trabalho no campo tenha resultados.

Bom, são muitas as áreas em que a inteligência artificial se faz presente e a tendência é que os trabalhos mais complexos sejam feitos por ela e não por nós.

Aplicações da inteligência artificial em nosso cotidiano

Todos os dispositivos que usamos em nosso cotidiano possui inteligência artificial. O objetivo das empresas é fazer com que os sistemas consigam aprender e entender nosso comportamento como usuários e se comportar de forma parecida, só que sem a necessidade de intervenção humana.

Um exemplo disso é o uso da Netflix ou Youtube, que possuem um sistema inteligente que apresenta para você somente as categorias de filmes e séries baseados no seu interesse.

Ou seja, a inteligência artificial não só faz parte como é fundamental para todos os processos realizados. Vale ressaltar que ainda estamos trilhando um caminho pelo qual as descobertas podem melhorar ainda mais os sistemas e consequentemente a nossa qualidade de vida.

Se você gostou desse artigo, curta nossa página no Facebook e fique por dentro das novidades.

Inteligência Artificial: entenda definitivamente o que é, onde é usada e sua importância.

Posts relacionados

Deixe um comentário