Internet das Coisas: Afinal, o que isso significa?

5 minutos para ler

A “Internet das Coisas”, um assunto que vem crescendo nas pautas de conversas, tanto no local de trabalho quanto fora dele. É futuro que não vai se limitar a impactar nossa convivência, mas também nosso modo de trabalho. O termo “Internet das Coisas” descreve um cenário em que diversos objetos do nosso dia a dia estão conectados à internet e interagindo de forma mutua.

Mas o que isso quer dizer? Essa conexão toda é realmente necessária? Como objetos tão diferentes estarão conectados? É importante essa conectividade para o nosso cotidiano?

Continue a leitura e entenda tudo.

Como surgiu o termo?

Desde 1991, existe a discussão sobre conectar objetos, época em que a conexão TCP/IP e a internet de hoje em dia começaram a se popularizar. Em 1999, Kevin Ashton traduziu suas ideias, no termo “Internet das Coisas” e após dez anos escreveu o artigo “A Coisa da Internet das Coisas”. Segundo o próprio Kevin, essa revolução será superior ao próprio desenvolvimento da rede online que conhecemos hoje.

O que é definitivamente Internet das Coisas?

De forma simples, é o conceito de conectar qualquer dispositivo ligado à internet através de um botão liga/desliga, entre eles. Ou seja, tudo que você tem em casa, conectado na internet, pode conversar entre si. “Internet das Coisas” é a interação e a transformação dos objetos no meio de convívio humano.

Qual o objetivo dessa tecnologia?

De modo geral, a “Internet das Coisas” busca agir de forma que possa fazer praticamente, infinitas conexões, como tornar as cidades mais inteligentes, seja agindo no transporte público, em funções hospitalares ou então na segurança. Muitas pessoas sentem-se “invadidas” pela tamanha conexão de dados, pois querendo ou não ficamos expostos ao mundo online. Não é à toa que a “Internet das Coisas” é um tópico muito abordado em discussões globais.

Como a Internet das Coisas afeta você?

Não dá pra negar que a tecnologia invadiu nossa vida e tornou muitas ações mais práticas, já outras, foram prejudicadas, como a segurança de dados pessoais. Porém, a tendência é que no futuro, tudo que puder ser conectado, será conectado. Sua geladeira, seu micro-ondas, o sistema de luz da sua casa, tudo para facilitar e otimizar seu tempo. Já imaginou o despertador tocar, a torradeira e a cafeteira receberem essa informação e já preparam seu café? Muito prático, né?

Internet das Coisas no dia a dia:

Para entender como a tecnologia funciona no nosso cotidiano, confira alguns exemplos abaixo e como é aplicada:

Hospitais e clínicas

Para que o atendimento aos pacientes em hospitais e clínicas, seja realizado de forma rápida e eficiente, foram desenvolvidos e aprovados em lei, a implementação dos prontuários eletrônicos. Permitindo que os médicos possam ver os resultados de exames ou qualquer outro dado do paciente, através de um aparelho eletrônico.

Agropecuária

Imagine uma plantação com sensores espalhados por todo terreno, eles medem a umidade do solo, temperatura, velocidade do vento, probabilidade de chuvas e envia os dados simultaneamente ao agricultor, que através do smartphone recebe as informações e tem como saber o progresso do seu plantio e não perder nenhuma colheita.

Fábricas

Através da “Internet das Coisas” é possível mensurar a produção diária de cada máquina, saber e entender as defasagens de cada setor, além de conseguir fazer um relatório de estoque detalhado.

Transporte público

Usuários de transporte público, conseguem saber onde seu ônibus está localizado, através de totens nos pontos de espera ou aplicativos para smartphones que, monitoram toda rota e avisam o passageiro quanto tempo ele ainda deve aguardar. Além de ajudar as empresas a identificarem quando acontecem danos e acidentes com algum carro da sua frota.

Serviços domésticos

A “Internet das Coisas” facilita a vida de quem não tem tempo para as tarefas de casa, como a geladeira que entende quando itens acabam e gera uma lista do que você precisa comprar.

E os riscos de tudo estar conectado?

Em qualquer meio online há riscos de invasão e roubos, ainda mais quando tudo está conectado. A “Internet das Coisas” por vezes, facilita o trabalho de hackers, que, não precisam quebrar diversos sigilos para acessar seus dados, pois a ligação de todos os dispositivos via internet faz com que o invasor consiga tudo por meio de um só canal.

Privacidade é algo que deveria, mas não é praticado no mundo real e nenhum pouco respeitado no mundo online. Devemos sim, buscar inovações e novas tecnologias que melhorem nossa qualidade de vida, porém o risco de fraudes sempre vai estar presente.

Para te ajudar a entender mais sobre sua segurança virtual e como as leis sobre a proteção de dados funcionam, separamos um material complementar para ensinar como se defender e agir perante roubos de dados pessoais.

Posts relacionados

Deixe um comentário